Lexico da Camarilla

Atualizado: 31 de Mar de 2019

Um pouco depois do Novo Principado ser fundado Os Tremere deram a luz a um documento perdido que valeu uma elevação de Status a eles que nunca antes na história da Cidade Livre havia acontecido: o Ancião Regente Álvaro trouxe um achado do então Ancilla e atual Pretendente á Ancião Magister Viktor nos catálogos dos antigos escritos perdidos no setor privativo e exclusivo apenas para Membros da Biblioteca Nacional. Esse pergaminho escrito em 1650 pelo Ex Príncipe e atualmente um dos Conselheiros Toreador Mestre Afonso e comentado pelo Feiticeiro que o resgatou se tornou a sensação do Elísio e trata-se de um léxico inacabado de termos dos Membros da Família da Camarilla. Era como se antes a Camarilla não fosse algo tão interessante mas, agora, era uma descoberta de uma origem de algo realmente fundamental e nobre. Afinal, a história é sempre reescrita pelos “vencedores do momento”, e isso também ocorre no mundo das trevas... Os termos em negrito ainda são utilizados ou voltaram a sê-los nas noites de hoje. Alguns dos outros termos, entretanto, são mais comumente utilizados pelos mais antigos.

O Adendo inacabado foi recuperado agora a poucas noites, e trás alguns termos em uso da Camarilla carioca e Brasileira bem como possíveis descobertas do Ancião que se perderam com os séculos.


Observação: Muitos termos vampíricos que são específicos da Camarilla podem ser encontrados nos livros V5 Core book, V5 Camarilla, V20 Core Book, V20 Companion, Vampiro: A Mascara Revisado, Guia da Camarilla, Elysium: The Elder's War, Dark Ages: Vampire, Blood & Fire, Counsel of Primogen, Archons & Templars, Vampire: Victorian Age, Time of the Thin Blood e Midnight's Siege. etc etc etc. Atentem para o fato que esse texto foi escrito pelo personagem Conselheiro Toreador antes dos eventos que fundaram a Cidade Livre e, mais recentemente, o Novo Principado do Rio de Janeiro.

Léxico da Camarilla de 1650 (Por Mestre Afonso)

Uma existência diferente exige um vocabulário diferente. Existem muitos títulos, experiências e outras coisas comuns aos Membros da Família que não têm equivalentes em nenhum outro lugar – e tais coisas demandam sua própria terminologia. A seguir, encontram-se alguns dos termos mais comuns usados exclusivamente pela Camarilla de 1650 para explicar e definir sua existência noturna. Nem todos os Membros da Camarilla conhecem ou usam todos esses termos; muitos se agarram à humanidade perdida, recusando-se a usar o vocabulário dos Membros. Outros termos, apesar de menos frequentes, já foram ouvidos pelos Neófitos uma vez ou outra. O fato é que as locuções abaixo são uma forma encontrada pela Camarilla para definir as experiências de seus Membros e, por meio delas, suas próprias.


Abactor – Literalmente “ladrão de gado”, um vampiro que caça no território de outro vampiro. Muitos Príncipes punem esse comportamento como uma violação da Tradição do Domínio.


Abraço: O ato de transformar um mortal e transformá-lo em um Membro (ver). “Abraçar” é um verbo bem comum na sociedade dos Membros.


Administrador: Algo parecido com um Zelador do Elísio menor, a função do administrador é ser responsável pela manutenção e proteção de o lugar de encontro de um conselho primogênito que escolhe se reunir fora de um Elísio reconhecido (e, portanto, muitas vezes, longe dos olhos do Príncipe). Outras vezes, o administrador é apenas um subordinado do Zelador, um Zelador Assistente, para detalhes mais específicos desta reunião dentro de um Elísio, enquanto este está preocupado com os demais Membros do Principado longe do olhar de seus anciões. É um cargo pouco comum, podendo se misturar com outros, especialmente como o do próprio Zelador em cidades pequenas. Às vezes inclusive o Administrador pode somente ser um Carniçal. Ver Zelador do Elísio.


Agitadores: Alcunha do século passado (e retrasado) dos Brujah. Alguns Anciões continuam os chamando assim, outros mais antigos ainda os chamam de Fanáticos . Já alguns neófitos começam a chamá-los de a Ralé (dos Membros).


Algoz ou Carrasco: Título dado ao Membro encarregado pelo príncipe de limpar a cidade da plebe vampírica indesejável e não autorizada, geralmente ficando na fronteira da cidade, interceptando a chegada de anarquistas e bandos nômades. Cargo medieval geralmente aposentado na Camarilla, muitas vezes o Xerife cumpre esse papel.


Althing: Uma reunião dos Gangrel, frequentemente invocada pelo mais antigo membro do clã de uma determinada região. Uma reunião menor é chamada de thing.

Amaldiçoados, Os: Termo chulo e vulgar para denominar a raça dos Membros da Família, todos os vampiros.


Amaranto: Termo arcaico para Diablerie (ver)


Anarquista: Um vampiro que se revoltou contra seu Senhor antes da formação da

Camarilla. Teoricamente todos foram perdoados após a Convenção dos Espinhos e convidados á integrar a Seita. Atualmente os que ainda se mantém à margem da Torre de Marfim são Autarcas (ver Autarca)


Ancião - Um vampiro “adulto”, geralmente com três séculos ou mais de existência e que se tornado Estabelecido e Privilegiado na Camarilla.


Ancilla (Pl. Ancillae) – Um vampiro “adolescente”, geralmente com um ou dois séculos de existência e que tenha se Confirmado na Camarilla. Não mais um neófito mas ainda não um ancião.


Antediluvianos: A política pública da Camarilla prega que os fundadores dos clãs foram mortos pelo dilúvio bíblico ou talvez nunca existiram, mas entre quatro paredes de muitos refúgios muitos Senhores ainda contam lendas desses seres míticos para assustar e controlar seus Filhotes (ver). É inegável que muitos Membros se esforcem para afastar tais folclores, porém, tradicionalmente, acabam por tolerar esses Nodismos (ver). Um Ventrue e alguns Membros com Senhor ou Linhagem de Sangue de Prestígio costumam apresentar tais genealogias até o seu Antediluviano tradicionalmente em suas apresentações ou falas formais, e muitos anciões ainda citam os mandamentos dos Chefes de Clã e de Caim em seus éditos e discursos.


Antitribu: Um vampiro pertencente a um grupo que nega seu Clã se filiando ao Sabá, no caso dos Sete Clãs da Camarilla e os Independentes ou, no caso exclusivo dos Lasombra Antitribu nega seu Clã do Sabá.


Arconte: Um vampiro a serviço de um Justicar (ver). Antes chamados de Mirmidões (ver). A fim de evitar uma impressão de favoritismo, os arcontes – delegados com uma ampla lista de poderes – raramente são do mesmo clã do Justicar a que servem. A maioria dos arcontes está vinculada com seus Justicars por laços de sangue. É um termo básico utilizado para a maioria dos arcontes (nem todos possuem o status que esse título pressupõe) e para qualquer arconte que não entre em nenhum posto ou classificação específica. Na sua grande maioria são Ancillae ou Anciões recentes, mas existem Neófitos de Reputação e Anciões antigos como Arcontes. (Veja Praetor)


Autarca: Um vampiro que sobrevive completamente por si só, rejeitando (ou nem sequer reconhecendo) clã e/ou seita. Utilizado por anciões para denominar os Membros que fizeram parte da Revolta Anarquista (e os que ainda se consideram anarquistas).


Avetrol: Uma designação obscura para um filho bastardo. Entre os Membros um avetrol é uma cria ilegítima que um Príncipe permite que exista, mesmo que seu abraço tenha violado a Tradição da Progênie. Muitos Caitiff são ilegítimos e para serem aceitos na Camarilla como avetrol eles devem demonstrar alguma utilidade para o poder dos Membros (ou adquirir alguma boa informação para uma chantagem ou negociata).


Baile: Uma reunião do clã Toreador e seus convidados.


Beijo, o: O ato de tirar sangue de um mortal, e o efeito de prazer que isso provoca na vítimas.


Betes: Alcunha do século passado (e retrasado) dos Gangrel. Alguns Anciões continuam os chamando assim, outros mais antigos ainda os chamam de Animais. Já alguns neófitos começam a chamá-los de Forasteiros (dos Domínios).


Besta, A: Os impulsos e instintos internos que ameaçam transformar o vampiro num monstro violento e descontrolado.


Burguês: Termo vulgar para o Membro que caça em clubes noturnos, bares e outros locais de reputação duvidosa.


Caçada de Sangue: O processo pelo qual um príncipe declara a condenação de outro vampiro e a perseguição (na forma de uma verdadeira caçada) que se segue.


Caçador de Bruxas: Um mortal que caça e destrói vampiros.


Canaille: O rebanho mortal, especialmente os elementos mais insípidos e ignorantes (dos quais os Membros se alimentam). Termo em desuso por relacionar-se ao termo Cainita (ver)


Cainita – Termo antigo para vampiro, um descendente do Primeiro Assassino bíblico e Membro da Raça do Mítico Caim. Oficialmente o termo correto seria Membro (da Família), já que a Camarilla considera o Nodismo um mito, porém muitos anciões ainda usam esse termo entre sí. Rumores que o Sabá ainda o utilize.


Caitiff – Um vampiro que não possui nenhuma característica de clã – nem aptidões especiais para disciplinas, nem as arquetípicas forças ou fraquezas, tendências físicas, psicológicas ou sobrenaturais. Alguns poucos vampiros, mesmo possuindo as características de seu clã podem ser considerados Caitiff pelos demais Membros, assim como um Caitiff pode ser adotado para um clã; ou seja, existe uma diferença entre o Caitiff como fenômeno social e o Caitiff “de sangue”.


Camarilla: A seita de vampiros, teoricamente universal, que se define por meio das Tradições e da Máscara. A pronúncia culta lusitana seria Camarilha. Conhecida informalmente como “A Torre de Marfim”.


Capacho: Aquele que se alimenta dos indigentes e normalmente não tem seu próprio refúgio.


Capela: Um abrigo e local de trabalho comunitários dos Tremere de uma cidade, onde seus rituais são realizados.


Carniçal: Um mortal (normalmente, mas nem sempre, humano) alimentado com vitae que como resultado adquire um vislumbre do poder vampírico. Ta,bem chamados de Ghouls ou Goules.  A maioria dos carniçais é considerada como lacaios, chamados Carniçais Servidores, mas alguns poucos trabalham de forma temporária, por um serviço, conhecidos como Carniçais Independentes.


Carnaval: Um grande baile regional realizado de 23 em 23 anos pelos Toreador. Os carnavais podem demorar meses ou serem intensos na semana de carnaval ou Madri Gras ,dependendo da região .


Cartaghos: Forma arcaica de Cartago, qualquer cidade que um vampiro considere exuberante ou um lugar especial.


Cauchemer: Um vampiro que se alimente exclusivamente de vítimas adormecidas.


Chasse : o tamanho e a qualidade de um domínio ou território de caça.

Cighanos: Alcunha do século passado (e retrasado) dos Ravnos. Alguns Anciões continuam os chamando assim, outros mais antigos ainda os chamam de Charlatães. Já alguns neófitos começam a chamá-los de Enganadores (dos Membros).


Círculo Interno: O conselho de anciões que controla a Camarilla e sua política. Ninguém sabe quantos Membros fazem parte do Círculo Interno, muito menos seus nomes e os clãs a que pertencem. Dizem que foi criado pelos Fundadores da Camarilla e ainda mantido por muito destes, outros, ainda, dizem que estes apenas os serviram como os primeiros Justicars.


Círculo ou Coterie: Um grupo de Membros que trabalha mais ou menos em harmonia. A maioria dos círculos é formada por membros de vários clãs e poucos duram mais do que algumas décadas.


Clã: Um grupo de vampiros que se caracterizam por possuírem as mesmas características e descenderem do mesmo mítico Antediluviano.


Comício: Uma reunião formal (no uso figurado da palavra) dos Brujah para se discutir a política do clã.


Conclave: Uma reunião de toda a seita, normalmente invocada por um Justicar. Todos os Membros presentes aceitos pela Camarilla tem direito a voto, mediado por uma mesa composta de um representante de cada clã (geralmente o ancião mais antigo presente) e ministrada pelo Justicar. Todo Membro pode levantar questões ou dar opiniões, desde que conte com o apoio de dois outros Membros presentes.


Conselho Primogênito: Reunião entre os Primogênitos e o Príncipe. Dependendo de cada cidade, são chamadas apenas de emergência ou podem acontecer periodicamente de mês em mês, bimestralmente ou anualmente. Também chamada de Assembleias Primogênita por alguns puristas. Recentemente os Membros modernos passaram a chamar os conselhos primogênitos antigos (anteriores à Camarilla) de Senado.


Convenção dos Espinhos: O tratado que deu fim à Revolta Anarquista. A convenção foi um dos primeiros conclaves formais da Camarilla na cidade de Thorns , na Inglaterra. Nesse mesmo tratado, foi combinado uma futura negociação com os Assamitas e decidido a maldição Tremere sobre eles. Ver Tratado dos Espinhos e Tratado de Tyre


Corsários: Alcunha do século passado (e retrasado) dos Lasombra. Alguns Anciões continuam os chamando assim, outros mais antigos ainda os chamam de Magistrados. Já alguns neófitos e antitribu começam a chamá-los de Guardiões (do Sabá).


Corte: Uma audiência formal, normalmente durante um Elísio, concedida pelo príncipe aos seus súditos. Em teoria, sempre que um príncipe preside uma corte, qualquer um dos Membros da cidade pode se aproximar, apresentar-se e rogar benefícios ou favores, entre outras coisas. A agenda do Príncipe é mantida pelo Senescal.


Consanguíneo: Indivíduo da mesma linhagem. 


Cria: termo comum para designar a prole de um vampiro ou sua descendência "cria de…”


Criança da Noite: Um vampiro criado através do Abraço — a criança da noite é a progénie de seu senhor. Esse termo recente é usado como um insulto, indicando inexperiência.


Cultos, Heresias e Ordens - Sociedade Secretas muitas vezes ritualísticas e geralmentes antigas de Anciões onde certos assuntos anteriores a Camarilla ainda são debatidos e até venerados. Antes conhecidos como Cultos há personalidades, geralmente á alguns Matusaléns e até á alguns Antediluvianos ou á algum aspecto ou interpretação do Nodismo, têm sido chamados de Cultos a Gehenna. Esses vampiros acreditam influenciar eventos que levem a ou atrasem o Fim dos Tempos, muitas vezes com o objetivo de parar ou ajudar os Matusaléns e/ou os Antediluvianos. Embora esses cultos variem muito e estejam freqüentemente em oposição uns aos outros, em geral cada um se concentra em uma ou mais atividades similares. Publicamente mal vistos, entretanto são a fonte de muitas idéias e muitas intrigas e alianças secretas nos Elísios. No passado a Heresia Cainita poderia ser considerado um dos maiores cultos da Noite Longa seguidos à Manus Nigrum ou Mão-Sem-Sol, o Culto de Mithras, os Arimatéios, os Michaielitas, A Tribo Perdida, os Meneleus, os Mnemosyne, os Jocastianos, os Pastores do Islã, os Servidores de Irad, Culto de Taweret, Crianças de Damballah, o Culto da Iluminação, Salão de Jörmungandr, Profetas de Havnor, Akhem-Urtu, As Walkure, o Caminho dos Antigos Legisladores, Guilda de Azar, Consortes de Wepawated, Touros Celestiais, Cadáveres de Irkalla, Peregrinos da Floresta de Rufus, Ordem do Verme, Igreja da Madalena Negra, Servos da Besta Tifoniana, Bibliotecários Reais de Ashurbanipal, o Culto do Crepúsculo, Abd'al-Sobek, Alquimistas de Louhi, os Cultos Lilianos etc etc. etc.

Cultos à Matusaléns - ver Cultos, Heresias e Ordens


Cuntactor: Um vampiro que evita matar, sugando pouco sangue, para que sua vítima não morra.


Curral: O principal território de caça de uma cidade, frequentemente repleto de clubes, bares e áreas de lazer.


Humanitas: O nível de humanidade mantido pelo Membro.


Delegados: Subordinados de um Xerife. Raramente possuem algum benefício de status por isso. Algumas vezes são Membros obrigados a prestar serviços a Camarilla. Algumas cidades antigas preferem o termo Tenentes.


Demônios: Alcunha dos Tzimisce.


Destruição: O poder da vida e da morte sobre outros Membros. Possuído pelo príncipe de uma cidade e ocasionalmente conferido a outros dentro de seu domínio.


Diablerie: o ato de consumir a alma de outro vampiro, a fim de ganhar uma parte do poder desse vampiro; um tabu e um crime para a sociedade dos Membros, a diablerie é extremamente viciante e imprevisível.


Domínio: Um território atribuído a um único vampiro, que passa a ter o direito primário de se alimentar, realizar atividades e fazer qualquer coisa dentro dele.


Domitor ou Dominador: O mestre de um carniçal, aquele que o alimenta e que o comanda.


Doppleganger - Nome informal para um Arconte especializado em contra-espionagem, personificando outro Membro dentro do Sabá ou outras facções não Camarilla. Boatos sobre aliados de Príncipes e Primogênitos considerados suspeitos sendo espionados dessa forma não foram confirmados.


Dux Bellorum: Vampiro que controla os demais vampiros de uma cidade em tempos de guerra da Camarilla, Tipicamente essa figura é o próprio Príncipe da cidade, mas esse pode escolher outro Membro com mais experiência militar para exercê-lo. Termo recente, algumas vezes usado no lugar de Marechal (ver) e geralmente o Senhor da Guerra da Camarilla é chamado de Dux Bellorum Magnus.


Elísio: Um refúgio sagrado para os vampiros, repleto de arte e cultura dentro de uma cidade da Camarilla. Os Elísios são, devido a uma longa tradição, zonas dentro das quais os combates e o uso de Disciplinas é estritamente proibidos. A maior parte do trabalho das harpias se dá nos Elísios.


Epicuros: Alcunha do século passado (e retrasado) dos Toreador. Alguns Anciões continuam os chamando assim, outros mais antigos ainda os chamam de Artesãos Já alguns neófitos começam a chamá-los de Degenerados (da Torre de Marfim).


Escravo: Um vampiro que é mantido sob um Laço de Sangue, tendo bebido do sangue de outro vampiro por três vezes. Também a antiga alcunha dos Gárgulas antes de sua revolta.


Escriba: Indivíduo responsável por registrar os pontos mais importantes de conselhos primogênitos mais formais. Essa função pode se misturar com a de Administrador (ver).


Feiticeiros: Alcunha dos Tremere. Alguns Anciões mais antigos ainda os chamam de Usurpadores. Alguns Neófitos começaram a chamá-los de também de Bruxos.


Filhote: Um vampiro recém abraçado, ainda não apresentado ao Príncipe, também conhecido como Criança da Noite ou simplesmente crias. Ou ainda um termo pejorativo de um ancião para um Membro mais novo.


Fim dos Tempos, o: uma lenda do vampiro apocalíptico prevendo o retorno dos Antediluvianos, e o fim

do mundo; também conhecido como Gehenna (ver).


Fome, A: O impulso de se alimentar, assim como nas criaturas vivas. No entanto, para os vampiros, a Fome substitui todas as outras motivações com seu poderoso chamado.


Frenesi: perda de controle de um vampiro sobre a Besta, resultando em um breve período de um comportamento instintivo animalesco


Fundadores: O lendário grupo de Membros que fundou a Camarilla. Dizem serem sete, teriam sido os primeiros Justicars, ou os primeiros Membros do Círculo Interno, não se sabe ao certo.


Gênese, A: O momento em que o indivíduo deixa de ser filhote e passa a ser um vampiro "pleno" de status como um novato. Na Camarilla, isso não acontece até que seu senhor o considere pronto e conquiste a aprovação do Príncipe e, portanto, seja Aceito com o Status de Reconhecido.


Geração: O número de "degraus" que separa um vampiro do mítico Caim, isto é, o quão distante do Primeiro Vampiro um determinado cainita se encontra.


Gehenna: Nome da última cidade mítica dos Vampiros, é conhecida como nome do apocalipse dos Membros, em que os antediluvianos irão levantar de seu torpor e guerrear entre si, bebendo o sangue de suas crias e grã crias. A Camarilla desdenha dessa lenda (mas há boatos que alguns anciões se organizam em cultos a esse armagedon do Membros circulam pelos Elísios.


Gente: Humano, mortal.


Gerousia: Termo para a união dos importantes Ventrue de uma cidade ou região. Pode assumir outros nomes menos conhecidos, variando de cidade em cidade. Alguns Ventrue mais novos começam a chamar de Diretoria ou Mesa Diretora.


Golconda: O estado mítico aspirado por muitos vampiros; no qual encontra-se um equilíbrio entre impulsos e escrúpulos opostos, o verdadeiro controle sobre a Besta. É como o Nirvana para os mortais, fala-se muito mas conhece-se pouco. Considerado em muitos Principados como tabu e motivo de escárnio nos Elísios, mas amplamente conversado em alguns Cultos.


Guerra dos Príncipe: O segundo período da Idade das Trevas, ulterior a Noite Longa (ver). Marcado pelas batalhas dos Príncipes Vampiros da europa e seus muito fronts, se formando antes da Inquisição e praticamente extinto com a Revolta Anarquista. (ver)


Harpias: Um título de facto dado aos Membros que tomam decisões durante os intervalos dos eventos sociais de uma cidade. As harpias designam a hierarquia social vampírica por meio de insinuações, rumores, favoritismo e ferramentas do gênero. Geralmente são comandados por um Chefe das Harpias ou Harpia Chefe, que detém real status por isso.


Homem, O: O elemento de humanidade que um vampiro preserva.