Crônica: Rio V5 LARP

Atualizado: 28 de Jan de 2019

Ambientação Completa

"É um mundo ... das trevas. O pecado de Caim gera os horrores amaldiçoados que espreitam a noite em busca de sangue dos vivos. Os Membros têm sido uma influência secreta em todas as eras da história humana, tramando uns contra os outros em uma Jyhad sem fim. Sua progênie imortal está entre nós até hoje ... Escondida aos olhos da humanidade ... Por uma elaborada ... Máscara! "

Vampire the Masquerade: Redemption

O Rio de Janeiro do CWOD ERA uma "Free City" e é vista com exotismo e pouca compreensão pelos demais Kindred (Membros) e Cainitas pelo resto do mundo das trevas. Para todos os efeitos era uma cidade regida por um Conselho Lasombra-Toreador com Vampiros a parte das disputas de Seitas, além da presença forte de Independentes, Linhagens e Autarcas.


A cidade passava por eventuais subidas e descidas de poder de Príncipes e Arcebispos mas nunca perdendo seu real poder "livre" da Jyhad. Porém, por volta do final do século 20 vários fatores foram se desenrolando (Ascensão e/ou queda de Anciões/Linhagens, Investida do Sabbat na América do Norte e sua eventual quarta guerra civil, reestruturação da Camarilla pela saída de grande parte do Clã Gangrel, Síndrome do Sangue Fraco, Histeria apocalípticas sobre o Gehenna e misteriosos ataques aos líderes Sabbat (Sabá) na América do Sul, a cidade recebeu uma renovada população de vampiros e algumas discordâncias entre os Anciões do Conselho Carioca fazem a coisa ameaçar a ruir.

Sangue. O poder do sangue é tudo. Ele nos chama, nos nutre e na escuridão faz de todos nós lindas monstruosidades ... Noites modernas Sexies e mortíferos vampiros brincam com mortais como parte de seus pessoais e elaborados esquemas.


Vampiro: a Máscara edição de aniversário de 20 anos (V20) é, em essência, uma mistura das três edições anteriores de Vampiro: A Máscara, deixando seu legado para a tão aguardada Quinta Edição (V5). A atualização se fundamenta fortemente na evolução da ambientação do Mundo das Trevas Clássico (atualizando mais de uma década de progresso cultural) e mitologia (amarrando as pontas soltas das três edições anteriores, ou em algumas vezes a recriando-as), mas se afastando um pouco do final do Metaplot, que se desenvolve como “agnóstico” em algum ponto do final da segunda edição em vez de seguir o final da ambientação proposto pela terceira. Dessa maneira, a ambientação e o sistema de Vampiro: A máscara se reorienta para uma configuração única, aumentando sua compatibilidade e tie-ins com outros jogos como Lobisomem ou Mago, onde as mudanças de evolução da ambientação também se deram.


Levando em consideração que a ambientação de Vampiro tem décadas de existência, é bastante natural que a ambientação tenha se repaginado e atualizado - afinal todas as coisas devem mudar. Depois de vinte anos de mudanças como celulares, câmeras, internet portátil, redes sociais e streaming, nossa sociedade mudou muito, e isso afeta profundamente os Kindred. Em vez de um vampiro hacker espreitando em seu porão, vampiros abraçam a idéia de "tecnologia como moda", integrando-a em seus excessos sensuais e sexuais. A Máscara não é mais protegida por seitas monolíticas, mas por todos os Membros da Família (Kindred) individualmente. Sem poder mais contar com o silêncio como aliado, os vampiros aprenderam a se esconder em plena vista, circulando histórias e seduzindo a todos com Presença e Dominação, para esconder sua verdadeira natureza bestial. A Máscara, portanto, não é mais um Xerife batendo à sua porta, mas uma campanha de difamação na mídia.


Temas principais: tecnologia como moda, conspirações elitistas, a ilusão do status quo, vampiros como criaturas sexuais em seu ápice, evolução em vez de revolução.

Todo esse cenário irá descambar na vinda do Quinta Edição (V5), que trará uma Nova Idade das Trevas e tudo será diferente. E os personagens do jogo vivenciarão essa mudança.


O Metaplot, fundamentalmente, segue as seguintes linhas gerais:


Movimentação dos Ancientes:  Os Anciões dos Anciões, os Vampiros mais antigos influenciam o mundo em seus torpores ou despertam brevemente para manipular diretamente seus clãs, moldando-os estruturalmente em novas configurações. Clãs como Assamitas, Gangrel, Malkavianos, Tremere, Tzimisce (entre outros) sofrem visíveis mudanças de poderes, maldições e/ou estruturas.


Guerra entre as Seitas: Domínios são conquistados ou retomados, o Sabá e a Camarilla se encontram em plena guerra com baixas significativas (e algumas delas por disputas internas) enquanto os Estados Anarquistas crescem pelo mundo ocidental. Os cultos à Gehenna organizados por anciões caem e novas organizações minoritárias ascendem entre os vampiros de linhagens de sangue e neófitos.


Maquinações dos Independentes: Os Setitas, Giovanni e Assamitas encaram as ações e consequências de seguirem (ou rejeitarem) as agendas de seus ancestrais. Artefatos escondidos ou perdidos ganham suma importância, enquanto a guerra no Oriente dos Ravnos contra os Cataianos leva o clã a catástrofe.


Sinais da Gehenna: Chega a o Tempo do Sangue Fraco, enquanto os nodistas em suas Seitas procuram pela mulheres com a marca da lua crescente. Os Sinais do Livro de Nod se concretizam de formas imprevisíveis. Uma Estrela Vermelha surge nos céus e some. A Camarilla passa a ter que admitir certas verdades enquanto o Sabá passa a duvidar de suas crenças. O Fim do Mundo existe mas ainda está em curso....


Fragmento de relatório do Arconte Praetor Frederico Di Padua dos Nosferatu (Justicar Petrodon) sobre o Rio de Janeiro para o Arconte Pascek dos Brujah (Justicar Carlak) em novembro de 1988.


“(…) Muitos vampiros das mais variadas origens migraram para o Rio: os inúmeros turistas garantem que a alimentação no Rio seja farta e praticamente sem esforço. Ainda que a elegante sedução dos inocentes falhe, vampiros de paladares menos exigentes sempre poderão ir até as comunidades miseráveis da cidade e arrastar vítimas anônimas para fora de suas pobres casas.


Enquanto grande parte da América do Sul é dominada pelo Sabá, com algumas cidades fortes da Camarilla ou centros de Independentes, o Rio de Janeiro se declara uma “Cidade Livre”, como Sidney na Austrália, onde a Torre de Marfim e a Mão Negra não entram em conflito aberto e todos os Membros são aceitos e recebidos com festas e festejos. Para os vampiros turistas, essa neutralidade é chamada de Carnaval. Aparentemente, após séculos de luta os representantes dos Lasombra e Toreador,decidiram decretar paz e fazer fortuna em cima da cultura e mercado da extração de minério, escravos etc.


A variedade de Membros no Rio de Janeiro é quase sem precedentes, e você

precisa saber ser orientado por onde ir (e principalmente por onde não ir). Os membros do Sabá podem ser monstruosos nas favelas enquanto a Camarilla domina as boites, casa de shows, praias, clubes e hotéis... Sendo assim os Lasombra e Toreador ainda dominam no Rio. Suas áreas de atuação são bem demarcadas pelo estilo e elegância de algumas regiões e as áreas mais mais sóbrias e violentas da urbe. Os Amigos da Noite e as Guildas são, de fato, os mais influentes no jogo de poder da cidade. Os Brujah também andam em abundância, alguns são descendentes de escravos ou remanescentes das resistências aos Regimes Ditatoriais mortais, enquanto outros são atraídos pelos ritos da santeria do Rio e pelos cultos de sangue subversivos. Malkavianos assombram as ruas noturnas, e seus excessos são ignorados pelo rebanho festivo; Os Tremere se escondem nas sombras, espionando e vendendo seus serviços; Setitas sibilavam pelos becos, oferecendo diversão para satisfazer a todos os gostos; e até mesmo Assamitas podem ser encontrados aqui, como assassinos ou como estudantes de artes marciais como a capoeira e o jiu-jitsu brasileiro. Aqui um Membro pode contratar um Tzimisce para esculpir seu amante dos sonhos, ou um devoto católico Lasombra pode rezar na frente da Estátua do Cristo Redentor ao lado de um Gangrel de fé protestante escocesa.


Na minha opinião tudo isso é uma grande Máscara, mas, de qualquer forma, acaba por facilitar acesso a muitas informações sobre o Sabá e Anarquistas de fora da cidade. Sugiro uma investigação maior, com a possibilidade de se recrutar ou infiltrar um espião permanente nesse domínio.”


Carta da Cavaleira Templária Inquisidora Mercy para a Grã Inquisidora Maria Maio de 2003


“É uma cidade bastante diferente de todas as outras que já estive, mas é a cidade de onde vim, antes de ser Batizada em Sangue de fato e me considerar uma verdadeira Sabá. Ninguém de verdade sabe como o Conselho Lasombra-Toreador funciona mas, obviamente, muitos estereotipam e estão desinformados sobre a forma pela qual os Cainitas desses dois clãs operam na cidade. Além disso, existe uma quantidade enorme de vampiros das mais variadas procedências entre as regiões com as maiores diferenças sócio-econômicas..


Considero um equívoco enviar inquisidores para investigar os diversos cultos e manifestações espirituais modificados pelos Cainitas locais para servirem aos seus propósitos. Meu conselho é que apenas quando heresias cainitas e infernalismo forem sanadas, investiguemos os fenômenos espirituais em que os Sabá locais estejam envolvidos e, assim, quem sabe, isso seja o estopim para uma Cruzada para afastar de vez os servos dos Antediluvianos e Independentes da minha terra natal.


Por fim, soube que o Arcebispo Gratiano esteve por lá, tomando o arcebispado da cidade para si. Quem sabe ele não poderia voltar e se estabelecer lá de uma vez por todas?


Das anotações de Aristotle de Laurance dos Mnemosyne


(...) Além dos 13 Clãs e os Caitiff, América Latina é atualmente a terra de exóticas linhagens de sangue que curiosamente só passaram ganhar alguma visibilidade real no período moderno, porém, muitas delas, afirmam serem originárias de períodos pré-colombianos.


A primeira linhagem que vem à mente quando pensamos nessa região é, obviamente, os horripilantes Samedi, com evidências que sugerem se tratar de uma variação dos Nosferatu associada ao Vodu que surgiu a cerca de 250 anos no Caribe, se espalhando não só pela América Central e Sul mas também pelo sul da América do Norte, e rumores de que o Barão Samedi seja mais antigo que parece começam a circular entre os mais atentos nodistas.


Do Haiti, em foco a segunda linhagem que parece ter nascido lá, há 70 anos atrás, os Serpentes da Luz, os “Setitas antitribu” considerados hereges pelo seu clã de origem por também por se associarem ao Vodu e a Wanga. Sua história, entretanto, parece ser mais antiga e remonta a raízes africanas (que não da região do Egito), o que sugere de fato serem uma linhagem e não um clã. Eles também se espalharam pelas Américas, se tornando uma pequena fonte de poder entre os Sabá.


Já a Família Pisanob do Clã Giovanni, apesar de ter uma origem Mexicana, se disseminou pela América Latina adotando os sistemas nativos para sua prática de Necromancia e é, naturalmente, outra linhagem de sangue, apesar de completamente integrada ao Clã.

A misteriosa linhagem de sangue dos Gangrel de suposta ancestralidade asteca conhecida como Tlacique abraçava apenas nativos, se transformando em jaguares das florestas tropicais em vez de lobos e praticando uma misteriosa forma de Magia de Sangue que parece ter sido extinta e sua existência completamente esquecida. Por outro lado a linhagem urbana dos Gangrel da Cidade Antitribu parece florescer bastante nas grandes metrópoles latino-americanas. Pouquíssimos Gangrel Marinhos foram identificados nas costas e cidades praianas.


É interessante notar também que uma grande quantidade de Toreadores Antitribu, especialmente na América do Sul, adotaram a Vicissitude dos Tzimisce como uma quarta disciplina, bem como alguns Ventrue Antitribu se valeram também desta forma dos Auspícios, o que podem pressupor linhagens bem específicas. Embora a arte do Misticismo do Abismo seja relegada a pouquíssimos Lasombra (e menos ainda aos Lasombra Antitribu) o desaparecimento dos Tremere Antitribu trouxe o estudo da Feitiçaria Koldunica como uma forma de compensação pelos Tzimisce e outros ocultistas do Sabá.


E, assim como no resto do mundo, no Rio Malkavianos também foram infectados pela Demência, Assamitas das três castas migraram para cá, Ahrimanes e Gárgulas para os territórios mais adequados para receber Independentes, e os Precursores dos Ossos e Salubri Antitribu nos territórios Sabá... Porém quase não é identificada uma forte ou mesmo qualquer unidade, apenas indivíduos esporádicos das Filhas da Cacofonia, dos Kyasid, de Membros dos Ashirra, e muito menos qualquer sinal das míticas linhagens Laibon, Maeghar, Filhos de Osíris... Alguns Nosferatu, porém, além de sempre contarem boatos sobre seus fabulescos inimigos Niktuku também contam, especialmente na América do Sul, lendas e histórias de outras linhagens pré-colombianas que estariam assombrando os vampiros dessa região.


Em verdade nada se sabe de fato a esse respeito, a não ser que muitos Cainitas importante do Sabá e alguns poucos mas poderosos Anciões dos Membros da Camarilla e dos Independentes têm, eventualmente, sumido ou encontrados destruídos por alguma misteriosa força das trevas ainda não identificada...


SchreckNET


De: Cara_D_M@schreckNET.nod

Para: eyeonyou@schreckNET.nod

Assunto: RE:RE:RE: Quem pula o Carnaval?


Estimado Okulos,


Depósito recebido. Seguem portanto, conforme acertado, as informações que você pediu sobre a Cidade Livre, o Conselho Lasombra-Toreador, as Seitas e os Clãs no Rio de Janeiro, bem como algumas das figuras que você me perguntou…

Você vai ter que achar um bom tradutor de português porque já foi muito difícil pra mim entender toda a sua conversa anterior e, pior, traduzir os três documentos que você me enviou no google tradutor. De boa, escrever em inglês não fazia parte do acordo. Portanto: boa sorte!


Vamos já de cara desmistificar algumas informações erradas do primeiro documento do Arconte Di Padua e das perguntas que você fez: Sim, existe uma aliança protagonizada por esses dois clãs que vem lá da época do Império, sim, são uns caras bem antigos, em sua maioria, que se reconhecem como tendo sido abraçados antes das duas seitas (e dos Estados Anarquistas nos States), e sim, é claro, é óbvio que grandes anciões famosos dos dois clãs como Monçada, De Corazón, tiveram alguma influência na vinda e estabelecimento desses caras por aqui, bem como na sua guerra inicial e tal, e quando eu digo tudo é tudo MESMO está errado no que você informou saber deles.

Apesar da maioria deles serem anciões desses dois clãs existem outros Membros (e Cainitas) que fizeram ou fazem parte deste grupo. Outros Clãs (inclusive Independentes e Antitribu) também povoaram ou ainda povoam esse Conselho. As coisa mudaram um pouco de nome com a vinda da nova (novo, novo, novo, nova...) Príncipe, mas isso eu explico mais pra frente. Basta você saber que o nome Lasombra-Toreador já é, de cara, uma Máscara de Carnaval.


Se você quer os nomes dos atuais Conselheiros, bom, ai vai ser necessário 10 vezes mais dinheiro, pois esse nomes parecem ter uma espécie de alarme que, quando ditos ou até escritos, revelam quem o fez. É sério, a macumba de sangue desses caras é O poder. E esses caras já estão de olho morto-vivo em mim, se é que você me entende. O Conselho nem sempre está completo e nem sempre concorda em tudo, e muitas vezes alguns deles nem sempre seguem as deliberações a risca, porém, assim mesmo, eles conseguem chegar em consensos na maior parte das vezes e por isso “coexistem harmoniosamente”. Entretanto essa convivência pacífica não quer dizer que “Os membros do Sabá podem ser monstruosos nas favelas enquanto que a Camarilla domina as boites, casa de shows, praias, clubes e hotéis.” Não, isso é totalmente estereotipado e errado! o certo seria "O Clã das Sombras dança pela Alta Sociedade enquanto o Clã da Rosa habita entre as massas numerosas, juntamente com os outros Clãs etc." Inclusive essa é uma informação bastante preciosa, existem Toreador antitribu nas fileiras da Espada de Caim Carioca bem como Lasombra antitribu na Torre de Marfim do Rio também. Segura essa informação porque vou voltar a ela.


Bom, falei um pouco desses dois clãs (e seus anti-clãs), vou tentar passar uma pincelada nos demais, apesar de que você precisa manter em mente que veio de tudo e mais um pouco pra cá: Existem vampiros muito diferentes mesmo sendo tendo o mesmo Antediluviano como ancestral!


Vamos começar pela Camarilla: É lógico que não existe nenhum Membro que seja, na prática, um fervoroso e ardente defensor fundamentalista da “Velha Camarilla”, mas todos aqui acabam por respeitar e defender a Máscara e as Tradições, de alguma forma, são tão impostas como em qualquer cidade de grande porte da Seita. Conheci de fato alguns Brujah descendentes de escravizados abraçados, mas também encontrei de muitas outras origens. Aqui dificilmente você vai achar vampiros cultuando uma Santeria vampírica especificamente, deve ser o que o Frederico entendeu que eram os cultos de origem afro-brasileira (Umbanda, Candomblés, Culto de Ifá...) que alguns Brujah, bem quase todos os clãs aqui deturpam e fazem suas próprias manifestações e rituais. Já os Malkavianos de fato extrapolam nas partes festivas da cidade, porém são tão discretos e soturnos (ou ao menos sabem apagar bem seus rastros) como poucos. Aliás existem tanto os que já tinham Demência, os que adquiriram e os que não foram infectados. Nós Nosferatu cariocas somos abundantes mas acabamos por lidar mais com trocas externa de informações do que com as coisas daqui especificamente, pelo simples fato de haver realmente um grande esforço do Conselho de apagar seus mistérios e segredos com muita violência e sangue (e um toque místico bem poderoso, como já expliquei). E aqui sempre foi muito mais um território de poucos mas poderosos Ventrue, lidando diretamente com as fontes de poder mortais dos Lasombra e Toreador de forma muito cautelosa. É claro que tudo mudou com a chegada da você-sabe-quem, mas vamos em diante. Ah, os Feiticeiros, pois é, eles sempre foram pouco numerosos aqui, os poucos que se estabeleceram no passado foram embora e os que aqui ainda ficam são muito mais ocupados com a espiritualidade do carioca e da cidade em si (e de suas florestas, locais de poder etc) do que se preocupar em manter-se como força política, mas sim, dá pra contratar um serviço ou outro deles, mas não é tão fácil achar eles espreitando nas sombras das ruas, não, alias, não mesmo! Os Caitiff, bem, eles adoram a liberdade do Rio, mas a Camarilla não costuma dar muita importância pra eles, não, é uma pós-vida mais autarca ou anarquista, mesmo.


Já o Sabá, apesar de bem numeroso, quase todo é composto pela facção dos Moderados e alguns poucos Status Quo e Ultra-Conservadores que fazem vista grossa pelo território. A riqueza espiritual do Rio atrai alguns Koldun Tzimisce e aqui é um centro de encontro das famílias-carniçais deles. Já os Antitribu, Panders e Linhagens Sabbá povoam a cidade de forma descomunal. Há quem diga que existam mais Toreador antitribu que seu clã, e, conquanto isso não se dá com os outros, eles são realmente numerosos. Eventualmente, quando ficam mais poderosos, são enviados para áreas onde de fato podem exercer sua guerra contra a Camarilla do jeito que a Seita melhor entende. Ah, existia uma Capela Tremere Antitribu mas ela foi destruída após o sumiço deles.


Quanto aos Independentes e tudo mais: Aqui sempre foi um ponto de encontro para os Assamitas fecharem contratos pelo resto do país (e às vezes pelo resto do continente e mundo), mais do que se interessarem por estilos de lutas locais. Gangrel são um clã que povoam as matas, morros, parques e florestas cariocas, muitas vezes sem sequer aparecer em elísios ou reuniões sociais, ao se tornarem Independentes o clã simplesmente deixou de interagir com os demais Clãs urbanos, mas isso não quer dizer que eles não estejam por aí. Os Giovanni e Seguidores de Set são bem numerosos e poderosos na América no Sul e apesar de possuírem poucos representantes no Rio são sempre uma força independente a ser reconhecida e temida. Os Giovanni possuem muita ligação com a cultura espiritual carioca intrínseca em suas crenças, simpatias e mandingas, já os Setitas desfrutam com muito sucesso do hedonismo e decadência da cidade.


Vários outros Chupa-Cabras passaram pelo Rio, de Linhagens e mesmo autarcas desses grupos, totalmente neutros às políticas e modos internacionais, onde o Rio é um paraíso para experimentar o contato com os mainstream das duas Seitas e Independentes. A fauna vampiresca carioca, é, por fim, algo que vale um profundo estudo seu e dos seus aliados. Samedi sempre vieram pra cá mas nunca se estabeleceram, já houve uma Filha da Cacofonia mas parece que ela se mudou para um Principado europeu, enfim, não vou enumerar tudo que é diferente porque aqui no Rio tem de tudo, mas só vendo pra crer.

Uma grande vantagem que o Rio tem sobre outras capitais da América do Sul: Aqui esse negócio de gente do Sabá e independentes desaparecendo não tá rolando, não.


Bom, como te falei, chegou uma Arconte aqui uns anos atrás e ninguém de fato sabe como mas ela unificou a cidade na Camarilla, botou todos os Anciões que eram Conselheiros antes e outros que não eram num novo Conselho, distribuiu cargos, renegociou territórios e tudo mais que você possa imaginar. A menina se auto-nomeou príncipe e, cara, de verdade, essa se tornou uma das mais eficientes das cidades da Camarilla que eu já vi. O Rio pros mortais tá uma bosta, mas pros Membros não poderia estar melhor.


Por fim, por enquanto é isso. Aguardo mais envio de dinheiro para dar mais informações. Já te adianto que posso fazer um preço camarada apenas pela Príncipe "Dana", o resto eu realmente não consigo te ajudar, não.


Saudações Rubro-Sanguíneas

Cara de M.

Breve história dos Vampiros do Rio de Janeiro By Night (Free City)

Tempos Pré-Cabralinos e Período Pré-colonial


Não se sabe de vampiros de fato antes da chegada dos portugueses no Brasil e muito menos no Rio. Lendas sobre Gangrel que viajavam com os Vikings e Fenícios (ou mesmo antes disso) só são conhecidas em suas próprias reuniões de clãs (Althings) por eles mesmos. Embora existam linhagens ameríndias, as lendas dos nativos que poderiam apontar isso se perderam com o extermínio dos povos.


As Capitanias, França Antártica, Capitania Real , a prosperidade carioca do Século XVIII e Capital do Vice-Reino


Rumores dão crédito aos investimentos e influências do Arcebispo de Milão Monçada dos Lasombra para a expedição de Gonçalves Coelho que chegou em primeiro de Janeiro de 1502 na Baía de Guanabara. Se de fato foi assim ou não, não se sabe.


Por três séculos nenhum registro existe de algum vampiro europeu que tenha se estabelecido nesta região, apenas histórias de Gangrel abraçados por Membros que passavam pelas matas ou da chegada, saque e partida de Bandos Nômades do Sabbat Ibéricos (como os Navegadores , bem como mercadores independentes). No entanto diversos episódios históricos da cidade e do estado são possivelmente obras de lacaios atuando sobre a influência distantes dos Amaldiçoados de diversas procedências, mostrando já tanto um real interesse dos Toreador (e da Camarilla), dos Giovanni e Setitas dos Independentes na região e futuro porto quanto os próprios conflitos entre os Lasombra do Sabbat.


Há quem suponha que uma pré-aliança entre os Degenerados e os Guardiões tenha começado exatamente na exploração do Ciclo do Ouro e o tráfico negreiro, o qual o Rio tem papel fundamental, tanto administrativo como pelo seu porto; portanto é bastante plausível que carniçais já operassem neste território ativamente. Histórias sobre um ibérico que teria sido abraçado por algum Gangrel passante na época da Bandeiras e assombrava as cercanias da cidade circulam por todo esse período.


Chegada da Família Real, Capital do Império, Revolução do Porto, Independência, e Município Neutro


Não se sabe se todo o crescimento do Rio teria sido um planejamento para a chegada de Membros na cidade juntamente com a Corte Portuguesa ou se realmente vieram junto assustados com tomada da Península Ibérica por Napoleão (sob a influência do Príncipe Villon dos Toreador). O fato é que a cidade passa a ganhar estrutura para comportar uma pequena população de Membros que vão chegando, das duas Seitas e alguns independentes, alguns com a própria corte, outros na sequência.


Os Toreador Portugueses conseguiram a assistência de suas contrapartes dos domínios ingleses de Mithras e afirmaram uma aliança implícita entre os membros do clã da Rosa de Rio e Londres, o que serviu de triunfo para a futura aliança com os Lasombra. A chegada da corte portuguesa também marca o fim da Primeira Guerra Civil do Sabbat e serviu para que os Lasombra estruturarem suas mãos sobre as influências locais sem mais conflitos internos tanto nos novos nobres brasileiros como nas forças armadas e igreja.


A versão do Rio de Janeiro no Mundo das Trevas tem uma ampliação urbana maior (e mais sombria) que na história real. Porém por algum tempo, muitos Membros da Camarilla Ibéricos (especialmente dos Brujah) e alguns Antitribu do Sabbat Português retornam para Portugal. Na sequência, a Revolução Liberal do Porto promove novas retornos e migrações no mundo vampírico junto com a volta da corte portuguesa e, logo depois, o Dia do Fico e Independência Brasileira. São dessas épocas tanto o primeiro Bispo de um Refúgio Comunal do Sabbat como o primeiro Príncipe e seus Primogênitos da Camarilla Carioca a serem reconhecidos pelos Cainitas e Membros de ambas as Seitas, emancipados de suas hierarquias europeias.

Ali também começa uma guerra fria sutil entre entre a Camarilla e o Sabbat,, apesar das evidências das alianças Toreador-Lasombra já serem bem fortes. A famosa Pax Vampírica tem sua gênese por volta da época em que o Município do Rio de Janeiro passa a ser considerado Município Neutro.


Ascensão e Queda do Ciclo do Café, Revoltas externas e Abolição


O local passou a comportar uma Camarilla bastante liberal e com visões bem heterodoxas das Tradições (com exceção da Máscara) enquanto o Sabbat passava a ser constituído grande parte pela facção dos Moderados e alguns poucos Legalistas e Status Quo. Arcebispos, Bispos e Príncipes e Primogênitos eram empossados e destronados na mesma proporção que o poder mortal variava de governador, sempre regado de uma dose de violência, portanto é forçoso dizer que não haviam conflitos entre as Seitas, mas os empenhos nos bastidores especialmente dos dois Grandes Clãs mantiveram a Pax Vampírica que os enriqueceu e forjou seu poder.


É nesta época que a política vampírica começa a ser chamada de Carnaval perante os olhos do Membros e Cainitas estrangeiros e será a gênese do conceito da Cidade Livre. Estas Diversas revoltas promovidas, junto com o fim da mão de obra escrava pelo mundo fez com que os dois Clãs se unissem, até que por fim tiveram que ceder às pressões e seus modos retrógrados (Lasombra) para com os mortais e liberais para com os vampiros. Inclusive os Lasombra se vangloriam de serem os cabeças de muitas repressões e levantes militares ao longo da história.


No entanto, nenhuma repressão pôde conter a abolição. A Abolição acerta em cheio a supremacia econômica da aliança e é uma das primeiras vezes que Pax Vampirica estremece. Os Guardiões se vangloriam de influenciar a Proclamação da República, fato que na verdade nunca foi confirmado, bem como o banimento da Família Real para a França de Villon como represália contra os Degenerados. Mas, para o azar dos Lasombra, começa a Segunda Guerra Civil do Sabbat.


Primeira República, República das Espadas, Política dos Governadores, Política do Café com Leite, Revolução de 30, Fim da Velha República, Segunda República e o Estado Novo


Mesmo voltando logo a se tornarem aliados novamente, os Toreador negam a bravata dos Lasombra em sua “mão invisível sobre Deodoro” e da Primeira Ditadura Militar do Brasil. O Fato é que a crise econômica fluminense manteve a aliança dos dois Clãs bem tênue. O crescimento dos demais (ou reerguimento de alguns) Arcebispados Sabbat, Principados Camarilla e domínios dos Independentes de todo Brasil começou a se dar nesta época enquanto a política de Carnaval dos vampiros carioca tenta se reestruturar, perdendo muitas de suas influências e soberanias nacionais fora da cidade pelo oportunismo dos demais anciões brasileiros.


A cidade passa por um período de decadência, com um esvaziamento socioeconômico e a perda da identidade da população carioca. Muitos Toreadores relatam ter entrando em torpor durante esta época, responsabilizando os outros Clãs, o Sabbat e especialmente seus aliados Lasombra por esse período de decadência. Os Guardiões negam as desculpas dos Degenerados e apontam a Segunda Guerra Civil como um fator de desestabilização.


Nesta época um Ventrue Antitribu abaixo da Hierarquia dos Lasombra conhecido somente como Soares deserta o Sabbat e ascende na Camarilla até se tornar o novo Príncipe “Toreador” Carioca. É dúbio se realmente foi Soares quem recuperou a força da cidade ou se ele foi meramente um fantoche para tirar os olhos vingativos dos demais vampiros de fora da cidade; o fato é que a Aliança Toreador-Lasombra voltou a prosperar. Nesta época surge uma nova leva de Sabbat na cidade bem como anarquistas que resolvem se favorecer da liberdade. É decretada, de fato, o status de Cidade Livre. A Era Vargas segue sob a linha dura de Soares e os Membros e Cainitas o culpam como maquinista do mundo mortal e o apontam como bode expiatório para todos os efeitos.


Redemocratização, Golpe de 1964, Rio pré-reunificação e o Novo Estado do Rio


Enquanto o Sabbat volta a prosperar na cidade, aumentando seu contingente de Antitribu sob a tutela de antigos e novos Lasombra, Soares é destronado pelos Toreador que assumem o Conselho de forma mais explícita, apesar de manter príncipes sempre de fachada.


Nesta época fica evidente que muitos Membros e Cainitas dos dois Clãs frequentam abertamente tanto a Torre de Marfim como a Espada de Caim na cidade, mostrando sua hipócrita fachada de fiéis seguidores das duas Seitas. Os Toreador que sempre frequentaram a Camarilla se demonstram tão adeptos às práticas e hábitos das suas contraparte Antitribu bem como os Lasombra menos preocupados em ser Sabbat ou Antitribu e mais Amigos das Noite. Os Clãs Malkaviano e Nosferatu na Camarilla sempre conseguiram manter alguma influência na cidade mesmo que sobre os olhares vigilantes da aliança; os Brujah e Gangrel, que sempre conseguiram ter um contingente mesmo que flutuante e reprimido pelos Toreador, assim como os muitos Antitribu no Sabbat reprimidos pelos Lasombra e mesmo que muitas vezes servindo como buchas de canhão para as ações bélicas da seita, clãs como os Tremere e Ventrue sempre tiveram força limitada na cidade passaram a perder muito de sua influência e números, bem como Giovanni e Setitas com inúmeras situações sacrificantes e desesperadas para se manter no poder.


Chega ser impossível colocar a culpa da deposição de Vargas, a proibição do jogo de azar no Brasil, a repressão ao Comunismo, o surgimento do Nacionalismo, o retorno de Vargas, o monopólio do petróleo, a volta de Vargas, seu consequente suicídio e a mudança de capital, e a criação do Estado da Guanabara nos Membros; mas, de fato, suas ações nos bastidores potencializaram vários desses momentos.

Apesar de estarem longes dos eventos da Terceira Guerra Civil do Sabbat e da forte supremacia internacional da Camarilla, os dois clãs precisaram fazer de tudo para se manter no poder.


Os eventos que culminaram no Golpe de Estado de 64 entretanto tem em seu cerne uma claríssima influência dos Anciões nacionais e especial internacional da Camarilla Norte-Americana como Principado de Washington de Marcus Vitel, o “Ventrue”, em conluio com o conselho da Cidade Livre, usando esse período que culminou na nova Ditadura Militar. O Rio é reunificado com a Guanabara e passa a ascender socioeconomicamente, apesar do aumento da violência urbana gradativamente, onde os Lasombra e Toreador tentam manter seu poder. A fama da política de Carnaval da Cidade Livre volta a atrair toda sorte de Cainitas e Membros de todo mundo, afirmando os vampiros cariocas como perfeitos anfitriões.


Por muito tempo foi assim.

O SUMIÇO DA PRÍNCIPE


O Rio de Janeiro do CWOD ERA uma "Free City" e é vista com exotismo e pouca compreensão pelos demais Kindred (Membros) e Cainitas pelo resto do mundo das trevas. Para todos os efeitos era uma cidade regida por um Conselho Lasombra-Toreador com Vampiros a parte das disputas de Seitas, além da presença forte de Independentes, Linhagens e Autarcas.


A cidade passava por eventuais subidas e descidas de poder de Príncipes e Arcebispos mas nunca perdendo seu real poder "livre" da Jyhad. Porém, por volta do final do século 20 vários fatores foram se desenrolando (Ascensão e/ou queda de Anciões/Linhagens, Investida do Sabbat na América do Norte e sua eventual quarta guerra civil, reestruturação da Camarilla pela saída de grande parte do Clã Gangrel, Síndrome do Sangue Fraco, Histeria apocalípticas sobre o Gehenna e misteriosos ataques aos líderes Sabbat (Sabá) na América do Sul, a cidade recebeu uma renovada população de vampiros e algumas discordâncias entre os Anciões do Conselho Carioca fazem a coisa ameaçar a ruir.


Nesta época chega ao Rio uma Ventrue Arconte da Justicar Toreador e, com muito esforço diplomático e pouquíssima violência visível consegue reunir todos os interesses de Anciões, Ancillae e Neófitos em um forte e aparente Principado Camarilla, distribuindo territórios, prestígio e anistia, convidando outros Kindred para fortificarem a sua tão delicada estrutura de poder. A Arconte foi aclamada como a Príncipe da Cidade, e assim permaneceu por mais de 15 anos, até que misteriosamente desaparece sem deixar vestígios.


Sem a mediadora por excelência tudo pode acontecer: Investigação é a prioridade? Novo Conselho? Novo Príncipe? Estado de Guerra? Estado Anarquista? Volta à Cidade Livre? Arcebispado? Ou será necessário chamar um Conclave com a presença de mais estrangeiros para tudo resolver? Agendas de poder serão re-avaliadas? Escaramuças? Sabotagens? Invasão? Os Antigos, novos e recém chegados conseguirão chegar em um

consenso?

Ou tudo vai voar pelos ares?

Elísio do Rio de Janeiro


Essas informações são altamente sigilosas e pouco conhecidas fora do nicho de anciões e os que conviviam com eles nos elísios e campos elísios cariocas.

Trata-as com discrição e bom senso. Se seu personagem é um Ancilla, um Membro vindo de fora etc ele pouco sabe disso. Se for um neófito muito menos etc.

Mesmo alguns anciões não são completamente versados nestes assuntos na sua totalidade e os que são fazem questão e exercem seus poderes e influências para que tudo aqui seja bastante sigiloso. Acredite, assim o é. Ponto parágrafo.


Os Anciões: Os verdadeiros jogadores da intrincada política vampírica carioca, eles se dividem entre os que faziam parte do Conselho Lasombra-Toreador e os que não fazem.


O Conselho

No começo, o Conselho tornou-se o corpo dominante da Camarilla, do Sabbat e Autarcas da cidade: Composto inicialmente por um contingente flutuante de Anciões Clã da Rosa e do Clã das Sombras, contavam também com um único Ancião do Clã da Lua e, muitas décadas depois por um único Ancião do Clã dos Escondidos.


Era todo um corpo legislativo próprio e, mantinha a vida dos Membros e Cainitas, dirigidas por várias leis e decretos. Seus conselheiros discursavam sobre a Pax Vampírica e o estado de Carnaval como uma forma de aprimorar o mundo dos Membros, mantendo um constante debate sobre a importância da Máscara como recurso de se esconder às claras ou apenas um recurso de camuflagem para caçar os mortais, assegurando que a população de vampiros não colapsar em si mesma.


A verdade, no entanto, é que o Conselho foi criado apenas para servir apenas a elite vampírica. Os mais poderosos dentro do Conselho eram os ditadores de seus Clãs, quase sem oposição. Conquanto poucos de fora do Conselho conheciam sua real estrutura, seus críticos concordavam que a chave para a execução bem sucedida de uma cidade dependia das operações dos Conselheiros. Muitos dos Membros e Cainitas acreditavam que era melhor aderir aos pomposos aristocratas do Conselho do que retornar à barbárie das guerras entre Seitas e as insurreições civis da Espada de Caim.

Cada Conselheiro contava com um voto. A cada sete anos um novo conselheiro era escolhido para fazer as vezes do Cônsul, presidindo os debates e usando o voto de desempate. Feito por meio de sorteio, estranhamente o Conselheiro Malkaviano Malaquias foi, até hoje, o que mais ocupou esse espaço.


Ao longo da história do Conselho alguns anciões recebiam direito de voz mas nunca de voto (o que não quer dizer que suas falas não pudessem influenciar os rumos tomados). Esses eram chamados de Magistrados. Também existiam os Procuradores: representantes de demais Principados e Arcebispados que enviavam sua voz para a cidade ou, as algumas poucas vezes, os próprios Príncipes e Arcebispos se faziam presentes como Governadores, que recebiam direito de voto quando se tratavam de assuntos imperiais.


Alguns dos fundadores do Conselho original (com os nomes que são chamados nas noites contemporâneas e títulos antes da criação do Novo Principado)


Lasombra:

Frei Diego (Conselheiro Antitribu) (Vitor)

Cristiano (Ancião Autarca) (Aurélio)

Gratiano de Veronese (Arcebispo) (NPC) (ausente)

Sebastião (Primeiro Bispo do Rio, depois Priscus) (torpor)

Narziela (Anciã Autarca) (destruída)


Toreador:

Mestre Afonso (Príncipe do Rio, depois Conselheiro) (SPC/NPC) (Daniel Gondim)

Meneses (Conselheiro) (Milton)

Ignacia (Bispo) (Vaga Aberta)

Téo (Anciã Autarca) (Ana Carina)


Malkaviano:

Malaquias (Ancião Autarca)


Ao longo do tempo muitos foram e voltaram do Conselho, em tese Gratiano é Arcebispo de várias cidades, muitas vezes deixando os assuntos do Sabbat para o os Bispos. Já na parte Camarilla vários Príncipes sucederam Afonso, quase nenhum porém foi parte do Conselho.


Outros que integraram o Conselho:

Bernardo (Conselheiro Nosferatu) (Luiz Gonzaga)

Müller (Bispo Lasombra) (Pedro Henrique)

Soares (Príncipe “Toreador” na verdade um Ventrue Antitribu desertor do Sabbat) (NPC – destruído)


O Conselho utilizava um Chanceler para resolver as prestações da cidade, e este tinha assessores (como Harpias menos independentes). Vários assumiram esse cargo, o último foi o Ancilla Toreador Autarca Saramago (David).

Em tempos de guerra o Conselho elegia um Marechal (o equivalente ao Dux Bellorum da Camarilla)


Magistrados mais notáveis que já se dirigiram ao Conselho:

Alexandria (Príncipe Toreador de Buenos Aires) (NPC)

Boaventura (Ancião Gangrel) (Lúcio Pimentel)

Sara (Anciã Independente Setita) (Christiane Reis)

Kalixto (Ancião Setita Independente) (Flavio Centoducato)

Charles IV (Cardeal Lasombra sul-americano/ Atual Priscus da América Latina) (Npc)

Martino Giovanni (Ancião Independente Giovanni)(Rodrigo Fontana)

Lady Merrit (Primogênita Toreador de Londres) NPC

Bilé ( Ancião Ventrue Camarilla) NPC

Michaelis (Justicar Ventrue anos 30) NPC

Di Pádua (Arconte Praetor Nosferatu) NPC

Manuela (Ex Xerife Brujah de Natal / Atual Justicar ) NPC

Lorde Mistara (Anciã Tremere Nacional) (Keila Casimiro)

Pontifex Saavedra (Ancião Tremere Nacional) (Leandro Medeiros)

Vykos (Priscus Tzimisce) NPC


Outros Anciões

Passaram muitos Anciões que nunca conheceram o Conselho, especialmente Autarcas, pelo Rio, para experimentar a liberdade do Carnaval. Mas apenas poucos realmente ficaram…

Adão (Ancião Gárgula Autarca) (André de Paula)

Ibn Khaldun (Ancião Assamita) (Rafael Villanova)

Tereza Canto-Do-Pássaro (Pretendente a Anciã Filha da Cacofonia Autarca)

Regente Álvaro (Ancião e Hárpia Tremere da Camarilla) (Luciano Bastos)

Magister Viktor (Pretendente ä Ancião e Harpia Tremere da Camarilla) (Mário)

Cassandra (Anciã Camarilla Toreador)


Atualmente:

Conselho Primogênito do Novo Principado

Lasombra antitribu: Frei Diego, Cristiano e Müller

Toreador: Mestre Afonso, Meneses, Ignacia e Téo

Malkaviano: Malaquias

Nosferatu: Bernardo

Ventrue: Don Guido (Cria da Príncipe Dridane “Dana” ) (Fabio Centoducato)

Brujah: Nascimento (Itamar)

Tremere: vago (Regente Álvaro pleiteia o cargo)

Gangrel: vago (sem representante na cidade)


A Príncipe Dridane presidia como uma Consul vitalícia o conselho, sendo que cada Conselheiro tem voz e voto, dando voz aos demais Anciões presentes nas reuniões mas com o título apenas temporário de Magistrado apenas nessa ocasião e, logicamente, sem voto. Ela também manteve Dominique como a Zeladora do Elísio, “extinguiu” os cargos Sabbat da cidade, fazendo todos ou jurarem lealdade ou se declararem Independentes, elevou o Ancião Brujah Rolf Bjornson (Gerard) para o cargo de Xerife, nomeou Saramago Como Ancião e Chefe das Harpias, além de apontar secretários de clãs e harpias. Seu último ato foi apontar o Ex Templário e atual Ancilla Lasombra Antitribu Marcos Silva (Anderson) como Algoz.


Apesar de ser um ancião e harpia, O Regente Álvaro não é considerado Conselheiro. Mas, um pouco depois do Novo Principado ser fundado os Tremere deram a luz a um documento perdido que valeu uma leva de Status a eles que nunca antes na história da Cidade Livre fora reconhecido: o Regente Álvaro trouxe um achado do Magister Viktor nos catálogos dos antigos escritos perdidos no setor privativo e exclusivo apenas para Membros da Biblioteca Nacional. Esse pergaminho escrito em 1650 pelo Conselheiro Toreador Mestre Afonso datado do ano de 1650 se tornou a sensação do Elísio e trata-se de um léxico inacabado de termos da Família dos Membros da Camarilla. Era como se antes a Camarilla não fosse algo tão interessante agora era algo realmente fundamental e nobre.


Sobre os Conselheiros Anciões da Camarilla


Frei Diego é conhecido pelos outros Membros fora do clã como um religioso razoável, acolhedor mas solitário, cheio de mistério e sem destacar-se muito nas atividades da Camarilla. Não é conhecido por usar de seus votos para criar algum tipo de intriga, por isso as vezes é procurado por alguns Membros para orientação e conselhos morais e espirituais, porém nem sempre está disponível para isso , decerto é um desgostoso da pós-vida e desinteressado por qualquer coisa que não seja sua fé e livros.


Mestre Afonso foi o primeiro mestre da guilda carioca, e foi o primeiro Príncipe da cidade. Dizem que possui aversão à essa época e se contenta a cada vez mais ficar longe dos Membros, preferindo ficar entre os humanos do que frequentar elísios e bailes. Ele desdenha qualquer proximidade com a hipocrisia da elite carioca e favorece os bailes, festas, boites e casas mais populares. “Sou apenas um solitário nessa estrada da vida. Um amante das artes, louco e místico.”


Téo - Dúbio, ambíguo e inescrutável. Ninguém ou poucos sabem quando ou como Téo chegou ao Rio de Janeiro. Dizem que foi uma das figuras mais marcantes do Conselho através das décadas. Dizem que Téo joga seu próprio jogo. De alguma forma, caminhou com a cidade mesclando-se a ela, ora com atuações decisivas e coerentes, ora com posições incompreensíveis, beirando o caótico. Dizem que muitas vezes seus companheiros de conselho desejaram mais sua ausência do que sua presença nas votações. Apesar de ocupar uma das cadeiras dos primogênitos na nova configuração política da cidade, já há alguns anos que Téo não se apresenta com grandes entusiasmos às tarefas políticas vampíricas, se aproximando mais e mais dos interesses do mundo mortal, elegendo seus preferidos, belos, defensores de causas dos direitos humanos e das minorias. Dizem que os prediletos de Téo têm sofrido. Dizem que Téo não está nada feliz. E dizem que não há como saber o que esperar disso. Dizem que o mar terá ressaca, das grandes.


Malaquias - Um acadêmico que alega ter estudado em Alexandria, sua fama como nodista é notória. Tem semblante sereno e fala de forma calma e tranquila, mas assim como o mar ninguém sabe o que realmente ocorre abaixo da superfície. Sua fúria é temida e evitada pelos demais conselheiros, mas não se sabe o que pode provocar seus rompantes. Também é conhecido pelos acontecimentos fortuitos que sempre ocorrem a seu favor. “Nunca aposte com Malaquias, você sempre sai perdendo mesmo se ganhar!”


Cristiano - Quando é visto, o Conselheiro Lasombra Antitribu Cristiano demonstra ser um Membro amistoso, calmo e muito educado. Talvez por essas características, quando está presente num Elísio, ele normalmente está conversando com outros Membros influentes, em especial o Conselheiro Toreador Meneses. Aliás, algumas harpias costumam dizer que a aliança Lasombra-Toreador do Rio nasceu após o empate em uma grande batalha entre os dois travada sobre um tabuleiro de xadrez. Aos entendedores do jogo, diz-se que Menezes, jogando de brancas, iniciou um ataque de peão de rei que foi respondido por Cristiano, jogando de negras, com uma defesa francesa.


Visualmente, a bengala é sua marca registrada. Ele a usa para mitigar algum tipo de deficiência locomotora em sua perna. Não se sabe detalhes dessa característica de Cristiano, muito menos suas circunstâncias, pois o assunto gera desconforto e é evitado por ele.


Apesar de membro original do Conselho, é de conhecimento de todos que Cristiano passa grandes períodos recluso sem comparecer suas reuniões. Muitos especulam se ele passa esses longos períodos em torpor como uma forma de lidar com as dores provenientes de sua perna, já outros dizem que ele simplesmente passa esses períodos fora do principado tratando de outros assuntos. Ninguém sabe a verdade, mas diz-se que ele esteve presente em todas as reuniões realmente importantes do Conselho.


Meneses -: Sabe-se que Ancião do Clã da Rosa chegou a cidade do Rio junto com a corte portuguesa e sempre teve muita influência entre as decisões armamentistas em portugal e na colônia no passado. Conselheiro e fiel defensor dos principados cariocas, protegeu e deu suporte e apoio a todos os príncipes aclamados por gerações até a atual Príncipe Dana. Ele exibe a paixão pela arte da guerra, da batalha e do conflito em todas as suas facetas, deliciando alguns de seus ouvintes com táticas de batalha que parecem saídas de lendas ou mitos antigos. É conhecido por ter sido um dos principais responsáveis no passado pela aliança Lasombra-Toreador, unindo forças com Cristiano, ao qual tem grande respeito. No mundo mortal Meneses é no presente conhecido pelo apelido Carcará e atua como produtor de eventos de MMA, porém sabe-se também que tenha alguma influência militar, dizem, é mais influente ainda na política cainita. “Todos podem ver as táticas de minhas conquistas, mas ninguem consegue discernir a estratégia que gerou minhas vitórias.”


Nascimento - Não gosta de intrigas, age para que os conflitos sejam resolvidos o quanto antes, olho no olho. Não costuma perder a cabeça, a não ser quando acha que estão tentando manipulá-lo. Neste ponto o mais difícil é fazer com que se acalme. Se identifica com minorias mortais além de possuir uma mania irritante na visão dos demais Anciões de defender os Neófitos, os Caitiff e os Sangue-Fraco, bem como os Deslaçados ( The Unbound). "Mantenham a calma e vamos resolver isto da melhor forma e rápido... ok, vamos brigar então!"


Bernardo - Conhecido o "Benfeitor Bernardo", trata-se de um carismático e leal Ancião Nosferatu que tem em seu acervo particular as principais características dos membros brasileiros e talvez bem mais que isso; mas a proporção do que tem e como estão organizadas, ninguém além dele mesmo sabe. É um perito em informações e dela fez sua ciência. Geralmente observa a tudo e a todos sem se meter de forma direta na Jhyad particular de cainitas e membros(exceto se lhe pedirem isso, e para tal, não precisa ser de maneira direta).


Parece dar muito crédito aos manuscritos do livro de Nod e também ao trecho que vem dizendo que; em uma Jhyad os primeiros a morrer são os nosferatu, mas muitos membros cariocas hoje não estão mais presentes, tão somente por não ter dado crédito a suas palavras, e muitos se mantiveram vivos(ou quase isso) por ter dado crédito às suas verdades.


Nenhuma verdade se esconde dele por muito tempo e parece conhecer a cidade bem mais do que dizem por aí. Dizem as más línguas que ele controla com mãos de ferro o subterrâneo e que ninguém move uma pedra de lugar sem seu conhecimento. Parece não ter muito apreço com as maquinações que acontecem acima da superfície, nem com protetorado quaisquer existentes daquilo que chama de seu. Mas reclama alguns museus e bibliotecas como seus, tais como locais de conhecimento e cultura relativo a fatos históricos


Ignácia - Exímia bailarina de diversos ritmos e estilos, das mais ativas vozes da Facção Moderada do Sabbat, Ignácia era uma Bispo (ou Episcopesa) dos Toreador Antitribu desde o começo do Carnaval e Conselheira da futura Cidade Livre. Com diversas críticas ao Código de Milão, sempre fora contra a imposição do Laço de Sangue mas nunca se motivou a participar ativamente em planos de destruição contra a Camarilla, a exemplo de sua facção. Aliada de Gratiano, se considera uma igual Sebastião e sempre fez questão de demonstrar isto. Qual não foi a surpresa de todos quando Ignácia desertou do Sabbat e seguiu seus companheiros na mesma dança, deserdando a Espada de Caim e entrando no baile do Novo Principado. "Mestre Kong (que você conhece como Confucius) costumava dizer: "Nunca dê uma espada a um homem que não saiba dançar." Eu acrescentaria, "ou uma mulher."... Ou uma Cainita... Ou a ninguém que não saiba se movimentar..."


Müller - Um senhor de sorriso fácil, acessível e é um pouco excêntrico. Müller é um recente ancião Lasombra antritribu, novo entre os Amigos das Sombras e um respeitado diretor de teatro no mundo mortal. Sua mais recente super bem sucedida empreitada teatral foi a adaptação do sucesso Grande Sertão Veredas, onde todos os atores vestiam-se de preto e através de extravagante jogo de luz recriavam a obra clássica de Guimarães Rosa.


Don Guido - O único Conselheiro que de fato é um Pretendente a Ancião mas ainda não é formalmente um, apesar de ter progênie e demais regalias dadas pelos seus próprios méritos e de sua linhagem.


Um tradicionalista em tempos raros, gosta de seguir à risca as tradições da instituição, talvez seja uma herança da sua Senhora A Príncipe (e ex arconte) Dridane (Dana), ele coloca-se como um líder do seu clã na cidade, nesses últimos anos ele fez questão de ampliar seus negócios no novo principado e principalmente seguir os passos da Príncipe tentar estreitar os laços de diplomacia com todos os clãs da cidade, é um negociador nato, se auto intitula um “facilitador de todas as horas”, seguindo os preceitos claros da antiga máfia italiana, isso explica muito o seu modo de agir e comandar os seus diversos negócios, onde dá origem a sua fortuna acumulada, possuindo muita influência no mundo mortal, ou seja, sabe-se que em muitas horas Don Guido pode aparecer e resolver seu problema, mas que fique claro, que em alguma noite, e talvez esse noite nunca chegue, o favor será cobrado.

“Por trás de uma grande fortuna existe sempre um grande crime”


Zeladora do Elísio

Talvez a função mais importante de todos os tempos do Carnaval do Rio era, sem dúvida, a da Zeladora. Famosa no mundo todo, seu cargo continua exatamente como está, porém, a Príncipe sugeriu que ela recrutasse auxiliares, o que a agradou muito .


Dominique é uma Anciã Toreador que se tornou a primeira e única Zeladora (Guardiã) do Elísio do Rio. Conquanto Príncipes, Bispos, Conselheiros, Primogênitos etc. vem e vão, morrem ou retornam, Dominique fica e celebra. Ela é a alegria da festa e reputação de seus bailes, festivais e salons viaja por todo o globo. É a atual mestra da Guilda do Clã da Rosa carioca e se você nunca foi em uma de suas festas, você não conhece o melhor que o mundo cainita tem para oferecer. “Se já está surpreso agora nem imagino quando chegar a melhor parte".


Sobre os Anciões Independentes, Autarcas e ex Magistrados.


Adão - Um Gárgula "emergente" e engomadinho, frequentador assíduo do Elísio e também das festas carnavalescas dos mortais. Apoiava abertamente o status de Cidade Livre, e às vezes é visto com outros Gárgulas, que parecem estar só de passagem pela cidade, sendo ele o único realmente estabelecido na cidade. Boatos que ele teria vendido serviços em troca do Conselho boicotar todas as tentativas de ganho de influência dos Tremere no Rio de Janeiro circulam mas nunca foram levados a sério...


Ibn Khaldun - Este Ancião Assamita sempre foi um nômade. Era visto frequentemente nas cortes europeias, e a posteriori, nos Elísios da Camarilla pelo mundo todo. Tinha um contato menor com o Sabbat, geralmente se limitando aos nodistas. Atuava de forma frequente como um pré-intermediário com aqueles que queiram contratar os serviços dos assamitas, e atuava como diplomata ocasionalmente. Pessoalmente ele tem uma pequena obsessão com o estudo dos cainitas, e como o desenvolvimento sócio/cultural dos mortais influenciaram o desenvolvimentos de determinados clãs e sectos, e vice e versa.


Sara - Pouco se sabe sobre essa misteriosa Anciã Seguidora de Set, apenas que é bem antiga, e que possui negócios no centro do Rio de atendimento vip especializado para cavalheiros e alto trato e bom gosto. "Segredos? Se é sobre isso, Sara uma coleção deles. Esse é o seu negócio. E você, o que tem para oferecer em troca?"


Kalixto - Este Antigo Ancião dos Seguidores de Set é um pragmático líder de um culto, financiado por uma grande organização que estende sua rede de "negócios" por quase todo o globo. Apesar de ser um seguidor de Set, Kalixto entende que todos os irmãos de sangue precisam conhecer a verdade Setita, e sempre quando pode propagar sua fé com palavras sedutoras, sempre utilizando como base suas profecias e visões onde contempla uma grande cidade que será o lar de todos os membros da família. Ele sempre parece ter uma revelação mística ou não a ser feita de cada um, ele se vê como um guia espiritual com olhos que podem enxergar na sua alma e mãos que tocam seus "corações"


Martino Giovanni - é responsável por gerir a relação da família Giovanni carioca com os outros clãs. Um negociante duro, mas que cumpre sua palavra, buscando negociações amistosas com muitos membros da Camarilla. Parece ter a informação essencial para mudar o rumo de qualquer disputa negocial, tendo sempre uma proposta irrecusável na manga. É muito criticado por seus métodos pouco ortodoxos; mas acredita que a demonstração de força é essencial para a condução de uma negociação. Acha que chantagem, espionagem e coação são métodos válidos. Costuma ser frio mas se irrita com facilidade, principalmente com deboche. “Bela piada. Vamos ver como ela soa quando sua língua estiver pendurada pelo pescoço!


Boaventura - Pioneiro Gangrel Bandeirante e o primeiro Membro dos Euroclãs que se tem notícia que tenha pisado no Rio. Um antiquíssimo Ancião de bastante renome no Clã da Besta e que acompanhou a saída do mesmo da Camarilla. De fato, sempre se portava como Independente, evitando a política local , apesar de saber reconhecer o valor de aliados na selva urbana. Tem visivel preferência pela enorme região verde da capital carioca. Boaventura é carrancudo e dotado de um ar bestial mas sempre mantendo algum graciosidade no andar. Usa roupas surradas, muitas vezes com manchas de sangue de suas últimas vítimas.


Fernão Sadat - possui a fala mansa e modos que parecem deslocados do seu corpo coberto de cicatrizes. Com um humor absolutamente negro, e um profundo amor por crianças, parece ser alguém completamente diferente do que lhe atribuem: Um guerreiro com a tempestade do deserto nas veias e olhar de serpente. “Existem três tipos de Pessoas: As a serem seguidas, as a serem protegidas, e as más.”


Lorde Mistara - Anciã Tremere ao qual o Regente Alvaro e o Magister Viktor estão submetidos e apenas ocasionalmente visita o Rio. Lorda do Centro/Sul Brasileiro. Famosa Dominatrix mortal. Raramente vista no Rio, apesar de adorar a cidade. Sua vontade é executada por Álvaro com o aval do Pontífice Saavedra


Pontifex Saavedra - Misterioso e belicoso Ancião superior de todos os Tremere brasileiros e portanto quase nunca vem ao Rio, mas sua mão de ferro é bem presente no clã e na cidade. Sua base é atualmente Brasília e só vem ao Rio quando de fato é convidado ou sua presença é absolutamente necessária., confiando a Mistara suas ordens. O Elísio atual numa opulenta cobertura no bairro da Lagoa foi um presente seu para a Príncipe "Dana"


Cassandra - Anciã Recente, a inspirada atriz já foi motivo de confronto e rivalidade entre os mais altos Membros da Guilda Toreador. Atualmente Cassandra parece se divertir no Elísio a revelia de seus afetos imortais e apenas com o Vitae roubado dos humanos, no frenesi da noite carioca, a procura do que em vida lhe dava luz e conforto. Seus monólogos em Salons e Bailes já foram a sensação do Elísio, que esperavam as vezes anos por suas novas performances, mas há muito tempo não tem a inspiração de atuar para os Membros…


Xerife

Talvez um dos cargos mais difíceis de ser exercidos tanto pelo tamanho do território quanto pela dificuldade de cada local do Rio, o Xerife pode requerer ajuda dos Mirmidões quando necessário para salvaguardar a segurança dos Conselheiros e, portanto, do Principado. Sabe-se que o Brujah é bastante fanático em suas funções, de uma forma antes nunca vista na cidade. Até o momento o Xerife não exerceu o seu direito de convocar Membros como seus ajudantes e/ou delegados, mas talvez isso possa mudar.


Rolf Bjornson - Este Ancião Brujah, apesar dos tempos modernos, continua sendo muito firme em se tratando de territórios, assim como eram os dinamarqueses erroneamente chamado de vikings. É extremamente carismático e todos costumam gostar de sua presença, por isso tem acesso a vários clãs Camarilla ou Independentes. Costuma dialogar e negociar com grupos diferentes, mas é extremamente violento e incisivo quando é necessário impor a ordem do Principado .É dito vários grupos da cidade como milícias e setores de segurança. "Não há problema nenhum em negociações lentas e arrastadas. Adoro um debate. O problema é quando elas me desagradam e me prejudicam. Nestas horas a espada costuma ser rápida."


As Harpias

Um dos grandes méritos da Príncipe Dridane "Dana" Holman foi dar poder e autonomia para as Harpias cariocas e recrutar mais para o sei de seu clube privê de informações.

Conquanto o antigo Chanceler Saramago, agora um Ancião e nominalmente o Chefe das Harpias seja o líder, as Harpias tem muita força e liberdade de lidarem com o Status e as Prestações, respondendo diretamente à Principe. Como será isso agora, ainda não se sabe…


Saramago - conhecido no atualmente no Meio mortal como Pedro Lope., este Recente Ancião Toreador é o Chefe das harpias do Novo Principado. Jornalista e Artista plástico renomado, tudo o que um Membro do Rio de janeiro precisa saber está em sua posse, quem você é nesta cidade pode depender se ele gostou ou não de seus sapatos...


Delfim - Secretário e harpia, esse recente Ancião Nosferatu é um dos responsáveis, nos bastidores por fazer a máquina pública Carioca funcionar. Envolto em papéis e requerimentos, Delfim é atípico pro seu clã nesse quesito, mas indistinto dos demais Ratos de Esgoto no que tange seu comportamento no elísio, por se aproveitar para analisar os Membros através de seus feitos pela cidade. Dizem colaborou e que foi essencial nos planos da então Arconte Dana na unificação da cidade e na ascensão dela como Príncipe.


Regente Álvaro (Tremere) - É um Ancião prestativo e dedicado da comunidade dos Membros da Família e acredita na possibilidade de um entendimento duradouro, tanto com a Casa e Clã Tremere quanto com o Novo Principado da cidade do Rio de Janeiro. Nada dissimulado, Álvaro não esconde que serve seu clã e que pleiteia uma entrada no Conselho dos Primogênitos por ordens superiores, é absolutamente verdadeiro e sincero ao expor seu empenho na antes cidade livre e agora da hegemonia da Camarilla é garantir antes de tudo a manutenção da Máscara, da afirmação das Tradições e da proteção da nova Práxis e já deu várias provas positivas de sua integridade e excelência como Harpia.


Isabelle D'Anjou - Esta Ventrue (a única que não é da linhagem da Príncipe Dana) é conhecida por sua incalculável fortuna, gosto refinado e por ser a produtora dos mais exclusivos vinhos, pelos humanos, e pelos excepcionais vitae fabricados para atender ao paladar dos vampiros mais exigentes. Connoisseur, Isabelle tem poderosos insights dos sangues que ela prova, fazendo com que seus bouquets de vitae sejam simplesmente supremos. Anualmente, seu baile de Carnaval é um dos eventos mais concorridos entre a elite humana e dos vampiros, por propiciar o ambiente de luxo e luxúria que apenas os mais afortunados têm acesso.


Os Secretários

A Príncipe passou a exigir que cada conselheiro apontasse um secretário, porém optou-se que apenas haveria um para cada clã (ou Linhagem). O Secretário representa somente um Conselheiro ausente, especialmente no caso dos Toreador e Lasombra Antitribu e o peso do seu voto é apenas um, mesmo que todos os anciãos de um desses dois clã estejam ausentes.


Tape/EspectroConhecida no passado como "A Mulher de Duas Cores" esta Anciã Malkaviana está divida entre dois terríveis pólos bastante distintos . Depois de ser fatiada para sempre por dentro, ela tenta seguir sua pós-vida imersa em um pós-trauma eterno. Tape não sabe se sonha ser um fantasma do que já fora, ou se o espectro terrível é, na realidade, seu pesadelo. É possível que a resolução para seu enigma pessoal resida em sua mente, na forma de memórias inatingíveis, que quando acessadas representam a chave e a porta de transformação, mas graças a Maldição do Clã da Lua, isso nunca será de fato descoberto. Enquanto isso ela vaga pelos Elísios entre a Dama e a Aparição.


Anne Dieu-le-Veut foi uma pirata francesa, hoje dita como pirata moderna apelidada de Anne God-Wants, algo como “Vontade de Deus". Conhecida por ser corajosa e implacável, conhece os oceanos de maneiras inimagináveis, sua fama a salvou no fim, e acabou fazendo dela uma Lasombra antitribu, hoje está a navegar pela Baía de Guanabara e nos elísios cariocas como Secretária e Mirmidã da linhagem na Camarilla . No fim, o tempo levou suas façanhas tal como sua fama, mas assim é preferível. Prefere ser a única a beber desse vinho sem deixar de ser a mesma.


Don Vito - é em muitos aspectos, o arquétipo do Ventrue mafioso clássico, uma dualidade do homem civilizado e ao mesmo tempo pode-se tornar um assassino cruel. Ele não é particularmente alto, assertivo ou fisicamente imponente, mas possui um olhar frio absoluto, uma personalidade naturalmente plácida e uma confiança sólida em suas habilidades, trata-se de uma mão forte e fisicamente mais capaz dentro do clã, verdadeiramente o lado físico. Foi a primeira cria de Don Guido, sendo o seu braço direito, em alguns momentos o representa como seu Consigliere, além de tratar da segurança pessoal do seu sire, ele é o verdadeiro responsável pela mão forte do seu senhor. O que o tornou um candidato ideal para o crime organizado foi ser aquele que quando aparece para uma visita pessoal, sem ser convidado, faz com que o anfitrião começe a rezar. "Existem três maneiras de fazer as coisas: boas, ruins e como eu faço"


Dennys “pé de cabra” Lanford Soares: Um ancila vitoriano que renasceu no movimento punk dos anos 70. Filho de mãe brasileira imperial e pai inglês, cresceu na Inglaterra pré Vitoriana,?sendo lá abraçado e vindo para cá com a repressão aos Brujah no começo dos anos 90. O verniz de extroversão fingida, cuidadosamente mesclada com ironia punk-niilista-outdated, esconde a fúria que ferve em suas entranhas. Uma fúria que vem desde antes do abraço, mal contida e cheia de violência potencial, e que já foi utilizada para manipulá-lo, bem como já serviu para libertá-lo destas mesmas amarras.

“Nossa situação é medíocre: morremos e ainda estamos aqui. Não existe transcendência pra essa merda, seu filho da puta”.


Os Mirmidões

O antigo título para os seguranças e apoiadores de um Primogênito Medieval (e o primeiro título que os agentes dos Justicars usaram antes de serem conhecidos por Arcontes) é mais uma formalidade em alguns caso mas em outros é exatamente isso, o braço forte e protetor de um Conselheiro. Alguns Secretários são Mirmidões e vice e versa, mas em outros caso são somente seus guarda-costas mesmo.


Ártemis - Essa Brujah Ancilla pretendente a Anciã tenta estar sempre ao lado do Nascimento como sua fiel Mirmidã, compartilhando todas as suas crenças e ações exceto quando ele está prestes a perder a cabeça. É, talvez, a única capaz de acalmá-lo. Deve sua pós vida à ele mas é completamente independente. Em paralelo, é conhecida como A Amazona, por adorar um desafio físico e militante contra a cultura do estupro. Sempre tenta conscientizar a sociedade dos Membros e luta pra que vampiros não simulem sexo não consensual ao se alimentarem. Já chamou na porrada fora do Elísio e amassou no asfalto mais de um que disse pra ela "parar de mimimi" “Seus Dentes não são seu Pênis. Se eu souber que mexeu em alguma mulher sem consentimento só de sacanagem ou ainda ficar de piadinha machista seja de qualquer espécie que for, vai sentir o gosto dos meus punhos dentro da sua boca. "


Algoz

A bem verdade é que muito pouco se sabe das reais atribuições do Algoz que não a de executar alguém capturado pelo Xerife por ordens da Príncipe e seu Conselho. Sabe-se que ele porém vigia ativamente a capitania dos portos e aeroportos cariocas.


Marcos Silva

Não gosta de intrigas, age para que os conflitos sejam resolvidos o quanto antes, olho no olho. Não costuma perder a cabeça, a não ser quando acha que estão tentando manipulá-lo.


Outros Membros

Magister Viktor - Um Ancilla pretendente a Ancião Tremere discreto porém eficiente como bibliotecário, está somente a meio século no Rio mas seus serviços já foram utilizados por mais de um ancião, até que Mestre Afonso o requisitou exclusivamente para a Biblioteca Nacional humana (e sua vastíssima sessão proibida cainita). Harpia em treinamento.


Simon Pisanob - é um Giovanni estudioso de necromancia sempre questionando outros sobre conhecimentos ocultos. Frio e distante não parece se importar com as preocupações mundanas e só demonstra alguma emoção quando alguém questiona suas práticas. "Não estou preocupado com a vida ou com a morte, apenas com o que vem depois dela"


Brian Carvalho - Caitiff recém chegado ao Rio, demonstra total desconhecimento do trato social e político dos Membros como um todos e principalmente das maneiras próprias dos Membros cariocas e está como Membro sob Observação.


Targgen ( Setita) - Ancilla pretendente a Ancião dos Setitas, a chegada num Rio que deixou de ser Livre atrapalhou seus planos a princípio, mas ele se adaptou rapidamente, frequentando os elísios por mera diversão


Andrew Rhodes é um Toreador Wannabe ou Avetrol e é um nome estrangeiro e novo na corte carioca, fazendo tudo para ser aceito na sociedade vampírica.


Donna Guillia: sabe-se pouco sobre a segunda cria de Don Guido, principalmente pelo fato de estar sempre ao lado do seu senhor, dificilmente ela abandona este lugar, quando o faz, são aparições pontuais a serviço do seu senhor, mas isso não a faz ser menos percebida, pelo contrário, trata-se de uma mulher linda e extremamente sensual, quem repara se hipnotiza, ela exala desejo naturalmente, isso fica claro quando você consegue chegar próximo bastante, usualmente permitido pelo seu senhor. Ela tem um talento admirável para administração e está a frente de diversos negócios de Don Guido, mas na verdade a sua principal arma é a sedução, em alguns momentos na arte da sedução, a aparência só atrai. mas a essência é fatal. "A sedução é um monstro delicado. Amacia os olhos. Devora o desejo."


Jorge Santana: Atual curador do Museu de Belas Artes, fez parte do rebanho da Zeladora do Elísio por alguns anos, depois se tornando seu carniçal e sendo finalmente abraçado, de postura agradável e simpática, leva jeito tanto com pessoas quanto com negócios. É a coqueluche do Clã até virar notícia antiga.


Mariano - Foi apresentado alguns anos em um Elísio no Novo Principado pelo Conselheiro Nascimento como seu escolhido para o Abraço , ficando de trazê-lo de volta para jurar lealdade á Nova Príncipe Dana e a Camarilla como sua para ser liberado como o Neófito Brujah. De fato essa apresentação já está agendada para a noite do Elisio com bastante antecedência na pauta da Zeladora...


Hector Giovanni - Jovem Carniçal administrador dos negócios Giovanni, cuida da administração diurna dos setores controlados pelo seu avô Martino e de empresas do seu interesse próprio. Possui grande habilidade com negociações e traz grandes inovações para os serviços controlados pela família, também possui um grande interesse pela tecnologia e é capaz de utilizá-la com eficácia. Hector é inteligente e manipulador, busca ser bem prestativo e cumpre seus tratos com um certo fanatismo pela justiça e sinceridade. Tem orgulho da sua posição e uma grande lealdade a família, apesar de ser um Ghoul, se considera um Giovanni independente de ser abraçado ou não.


A PRÍNCIPE-QUE-SUMIU


Muito pouco se sabe sobre a Príncipe Dana, como gostava de ser chamada no Rio. Dridane Holman teria alguma origem nobre escocesa e antes mesmo de ser abraçada teria sido uma Ghoul (Carniçal) Toreador . Abraçada por Ancião Ventrue ela foi para a América do Norte onde estabeleceu sua base de poder. Teria estabelecido no passado do Rio de Janeiro um Carniçal que representaria negócios do Clã enquanto fazia sua carreira meteórica como Estrela Ascendente da Camarilla até de fato chegar a se tornar Arconte de mais de um Justicar. Sua última missão, dizem, como recompensa por serviços prestados, seria "organizar a bagunça" do Rio, tarefa que ela surpreendeu a tudo e a todos executando com primor, convencendo até os mais irredutíveis libertinos anarquistas e revoltosos Sabbat a se juntarem à Camarilla, bem como ampliando e dando oportunidade de negócios e território a todos entre Autarcas e Independentes. Seu único fracasso foi convencer o Conselho em apontar um Senescal, assunto que os Conselheiros nunca chegaram num acordo e, agora, será um fracasso que poderá custar toda sua obra...

0 visualização

© 2018 por Rio V5 LARP.  URL: www.riov5larp.com  |  E-mail: riov5larp@gmail.com  |

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Instagram Branco